Quais os cuidados com a pele do diabético? Quais os cuidados com a pele do diabético?

BLOG

Quais os cuidados com a pele do diabético?

Imagem de mãos femininas medindo a glicose. A direita segura um aparelho que faz a medição, enquanto o dedo médio da mão esquerda está encostado na ponta dele. A mulher usa uma camiseta branca e o fundo da foto está desfocado.
17 de novembro de 2021

Pele ressecada, fina e vulnerável, com dificuldade de cicatrização. É isso o que acontece em pacientes que apresentam diabetes, doença crônica e sem cura em que há um alto nível de glicose no sangue.

Controlar o açúcar, adaptar a dieta, praticar atividade física e evitar cigarro e álcool podem ajudar a melhorar esse quadro, mas o diabético também precisa adotar cuidados específicos para a pele. A seguir, reunimos as principais recomendações, que garantem mais saúde e qualidade de vida para quem sofre com a doença. Confira!

O que a diabetes pode causar na pele?

De modo geral, pessoas com diabetes têm a pele mais frágil e seca, reflexo do excesso de glicose presente no organismo. Esse quadro afeta o sistema nervoso autônomo, que controla a produção de suor e de sebo, podendo causar ressecamento e rachaduras.

Entretanto, em quem apresenta diabetes, a glicose acaba não entrando nas células, fazendo com que esse excesso de açúcar fique concentrado na corrente sanguínea. Essa deficiência de insulina no interior das células afeta também o desenvolvimento dos queratinócitos, que dão sustentação aos tecidos. Assim, a pele perde em espessura e elasticidade, ficando mais fina.

Por fim, com o excesso de açúcar no sangue, a pele cede a água para o organismo e desidrata. Somado a isso, os diabéticos têm a tendência natural de urinar mais para eliminar a glicose, o que aumenta a perda de água, afetando a hidratação.

Como fica a pele de uma pessoa com diabetes?

Como a pele de alguém com diabetes não tem água suficiente, o tecido fica bem mais ressecado e apresenta rachaduras. Essas lesões acabam sendo portas de entrada para diferentes micro-organismos, aumentando muito o risco de infecções.

Se isso já não bastasse, quando o sangue é muito “doce”, o processo de cicatrização fica prejudicado e ainda pode haver lesões nas terminações nervosas das extremidades, diminuindo a sensibilidade. Logo, um simples arranhão passa despercebido e se agrava rapidamente, principalmente nas pernas e nos pés.

Cicatrização lenta e perda da sensibilidade

A cicatrização lenta acontece por causa da glicemia alta, que provoca uma reação inflamatória nos vasos sanguíneos, prejudicando a irrigação. Os nervos, por sua vez, sem circulação sanguínea adequada e envoltos em glicose, ficam macios e não funcionam de forma correta, reduzindo a sensibilidade. 

Infecções e dermatites

No diabético, o sistema imunológico é prejudicado, aumentando a chance de infecções, que podem ser causadas por bactérias ou fungos, como as micoses e frieiras. Além disso, a função natural da pele de barreira não funciona corretamente por causa da desidratação, propiciando o surgimento de dermatites e até o vitiligo.

Para completar, o organismo de alguém com diabetes começa a produzir uma substância chamada fator de crescimento de insulina, como forma de compensar. Ela acaba provocando a acantose nigricans, doença de pele em que as dobras, como pescoço e axilas, ficam escurecidas.

Principais cuidados com a pele do diabético

Apesar do risco de problemas de pele causados pelo diabetes ser grande, uma rotina de cuidados consegue prevenir quadros graves. O principal é manter a hidratação, com cosméticos adequados e indicados por um médico dermatologista.

Aqui, a única contraindicação são produtos com alto nível de ureia. Esse componente deve estar em menos de 10%, a fim de não esfoliar e nem agredir o tecido sensibilizado, piorando a situação dos diabéticos.

Aposte na hidratação

Como adiantamos, é essencial manter a pele super-hidratada. Então, a recomendação é beber muita água e evitar banhos escaldantes, além de aplicar loções específicas, reduzindo a desidratação e o ressecamento.

Atualmente, já existem hidratantes feitos para quem sofre com a diabetes. Em sua fórmula, esses produtos concentram moléculas oclusivas, que impedem o ressecamento; umectantes, que ampliam a hidratação; e por fim os ativos antibacterianos.

Fique atento a qualquer machucado

O segundo cuidado essencial é realizar um autoexame diário. Isso porque, com a redução da sensibilidade e a dificuldade de cicatrização – especialmente nas extremidades – o diabético está mais propenso a sofrer lesões e infecções, sem nem perceber como ou quando elas surgiram.

É recomendado se examinar diariamente, pela manhã e à noite, pois todo o cuidado com machucados é pouco. Caso o paciente encontre lesões, deve tratá-las o mais rápido possível e prestar muita atenção à evolução da cicatriz; se isso não acontecer, procure um médico.

Atenção redobrada para os pés

A combinação de excesso de açúcar, dificuldade de cicatrização, perda de sensibilidade e diminuição da imunidade causa o conhecido pé diabético. Nesses casos, uma pedra no sapato pode machucar a pele e a pessoa nem perceber, o que evolui para uma infecção que pode chegar até os ossos em casos gravíssimos.

Por isso, a preferência deve ser por calçados confortáveis, que não machuquem e nem causem bolhas. O cuidado é redobrado na hora de cortar as unhas, pois qualquer acidente ou corte pode causar uma infecção. A hidratação dos pés com cremes também é importantíssima.

Cautela na escolha de procedimentos estéticos

Como a pele do paciente com diabetes é mais sensível, a escolha dos procedimentos estéticos deve ser feita com o auxílio de um profissional especializado, com amplo conhecimento sobre o assunto. Os tratamentos precisam ser minimamente invasivos e não agredir o tecido, e a ida ao dermatologista deve fazer parte da rotina de cuidados, com consultas periódicas.

Mantenha hábitos saudáveis

Para terminar, o último cuidado e o mais permanente de todos é a adoção de hábitos saudáveis. Fatores comportamentais, como sedentarismo, alimentação inadequada, alcoolismo e tabagismo, podem agravar o diabetes e refletir na saúde da pele.

Portanto, uma dieta equilibrada e rica em nutrientes, com controle na ingestão de açúcar, ajuda muito; assim como a prática regular de exercícios físicos. Aqui, a indicação é o acompanhamento com um médico nutrólogo, capaz de montar um cronograma personalizado e com foco no bem-estar de cada pessoa.

Nossa bio

icone-menor-dra-sheila-matielo

A Dra. Sheila Matielo (CRM 28.882) é graduada em Medicina pela Universidade de Passo Fundo (UFP) com especialização em Nutrologia e Medicina Estética, e com pós-graduação em Dermatologia. ?‍⚕

Assine a Newsletter

Nossas Tecnologias Nossas Tecnologias

Desfrute a beleza de bem-estar

Tratamentos e protocolos específicos para a saúde da sua pele.

Topo
Open chat